Página Inicial

English (United Kingdom)

 

Morada:
Centro de Estudos Anglísticos da Universidade de Lisboa (CEAUL)
Alameda da Universidade - Faculdade de Letras
1600-214 Lisboa
Portugal

Horário de atendimento:
2ª a 6ª-feira,

10h00 às 17h00

Email:
centro.ang@letras.ulisboa.pt 

facebook

Telefone:
(00351) 21 792 00 92

 

FCT_V_cor



 

 

FLUL

logo

“Representations of Home Open Seminar” 9 | Belonging and (Un)belonging: Representations of “Home” in Text and Culture | 4 Maio, 2016 | 10h00 | Sala 8.1 | FLUL
RHOSE9

 

Data: 4 de Maio, 2015
Local:
Sala 8.1, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa
Organização:
CEAUL

Site do projecto

 

O Projecto “Representations of Home” (RHOME) do Grupo de Investigação 4 do Centro de Estudos Anglísticos da Universidade de Lisboa (CEAUL/ULICES) tem o prazer de o/a convidar para a nona edição de “Representations of Home Open Seminar” (RHOSE 9), a realizar na quarta-feira, dia 4 de Maio, na Sala 8.1, da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, das 10h às 12h. Este seminário, subordinado ao tema Belonging and (Un)belonging: Representations of “Home” in Text and Culture, contará com as seguintes intervenções:

 

Margarida Martins

Representations of Home in The God of Small Things and The Inheritance of Loss

Dentro dos temas recorrentes da literatura contemporânea indiana em inglês temos o da casa, da família e as diferenças geracionais. A casa como espaço físico e simbólico e como lugar onde o sentido de pertença se constrói é um conceito que está presente nos romances The Inheritance of Loss de Kiran Desai e em The God of Small Things de Arundhati Roy.

Estes espaços, representados nos romances, assistem à passagem de gerações, sendo as figuras dos Avós e Bisavós uma presença pesada que gera uma luta e conflito com a identidade e pertença e identificação com o local. Os antepassados e os espaços físicos e simbólicos que ocupam são importantes tanto na preservação de valores, assim como na vontade de mudança em famílias e estruturas rígidas. Estes espaços contêm recordações e histórias do passado, e de gerações passadas, e são fundamentais para reforçar o sentido de pertença e preservar as memórias e os valores tanto na sua forma abstrata como material. Mas estas personagens e os espaços através do qual a sua imagem é representada, também simbolizam a resistência e formam uma barreira que impede a mudança e que é imposta às gerações mais novas.

Nesta apresentação irei falar sobre a representação da casa nos romances pós-coloniais indianos acima mencionados, também com referência a outros exemplos de casas, como estruturas sociais e culturais onde indivíduos encontram significado e identificam-se, ou não, com a família, os espaços e os valores do passado que estes carregam e os caracterizam.

 

Sara Paiva Henriques

Leanne Simpson’s Island of Decolonial Love: Decolonizing Canada: Identity (un)Belonging and Self-Determination

O intuito desta comunicação é estabelecer uma ligação entre experiências culturais Indígenas no Canadá, particularmente a ideia de não-pertença, através da leitura da colectânea de contos e poemas Islands of Decolonial Love, da escritora Leanne Simpson. Os textos serão analisados a par do seu contexto histórico e também através da forma como interagem com ele. Assim, a primeira parte da minha apresentação incluirá uma contextualização introdutória à História dos “Primeiros Povos” (First Peoples) no Canadá, com o objectivo de enquadrar historicamente a minha abordagem literária. Num segundo momento, irei reflectir sobre o impacto do “Indian Act” (1876) nas comunidades indígenas canadianas e considerar de que forma é que estas Leis ainda afectam as comunidades First Nation (povos indígenas no Canadá) nos dias de hoje. Em Islands of Decolonial Love, Simpson – ela própria First Nation – traz um enfoque particular às questões de identidade, pertença/não-pertença e perda (cultural e individual) no contexto canadiano.

Esta análise terá ainda em conta o relatório final do Truth and Reconciliation Committee (2015) e do caso particular das Residential Schools. Neste documento, e após seis anos de investigação e o testemunho de 6.750 vítimas deste sistema, a assimilação de crianças indígenas no Canadá foi finalmente descrita como “genocídio cultural”. Desta forma, irei considerar as bases da literatura indígena contemporânea como uma forma de recuperar o passado através da escrita, assim como a importância da memória nestas histórias.

 

A entrada é livre.

 
Voltar
Topo

Centro de Estudos Anglísticos da Universidade de Lisboa (CEAUL)